Apresentação

A Revista Domingueira da Saúde é uma publicação semanal do Instituto de Direito Sanitário - IDISA em homenagem ao Gilson Carvalho, o idealizador e editor durante mais de 15 anos da Domingueira da Saúde na qual encaminhava a mais de 10 mil pessoas informações e comentários a respeito do Sistema Único de Saúde e em especial de seu funcionamento e financiamento. Com a sua morte, o IDISA, do qual ele foi fundador e se manteve filiado durante toda a sua existência, com intensa participação, passou a cuidar da Domingueira hoje com mais de 15 mil eleitores e agora passa a ter o formato de uma Revista virtual. A Revista Domingueira continuará o propósito inicial de Gilson Carvalho de manter todos informados a respeito do funcionamento e financiamento e outros temas da saúde pública brasileira.

Editores Chefes
Áquilas Mendes
Francisco Funcia
Lenir Santos

Conselho Editorial
Élida Graziane Pinto
Marcia Scatolin
Nelson Rodrigues dos Santos
Thiago Lopes Cardoso campos
Valéria Alpino Bigonha Salgado

ISSN 2525-8583



Domingueira Nº 07 - Fevereiro 2019

DECRETO DE REMANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL E RESOLUÇÃO DO CNS SOBRE AS DIRETRIZES PARA O ESTABELECIMENTO DE PRIORIDADES 2020: DOIS TEMAS DISTINTOS, MUITOS DEBATES.

Por Francisco R. Funcia


A presente Nota tem por objetivo esclarecer resumidamente dois temas importantes muito debatidos na semana passada (de 11 a 15/02/2018): o remanejamento orçamentário federal referente ao Decreto Nª 9.699, de 08 de fevereiro de 2019; e as diretrizes para o estabelecimento de prioridades para 2020 aprovadas por unanimidade pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS).

I – Sobre os remanejamentos orçamentários do Decreto Nº 9.699/2019
Durante a semana passada, recebi várias consultas a respeito dos remanejamentos orçamentários do Decreto Nº 9.699, de 08/02/2019, que tem como ementa:

Transfere dotações orçamentárias constantes dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União para diversos órgãos do Poder Executivo federal, para encargos financeiros da União e para transferências a Estados, Distrito Federal e Municípios, no valor de R$ 606.056.926.691,00.

A consulta era se esses remanejamentos, que retiravam recursos de várias áreas, como por exemplo daquelas responsáveis para o pagamento de aposentadorias e pensões aos segurados do INSS, para transferir ao Ministério da Economia, não eram inconstitucionais e/ou ilegais.

Na introdução desse Decreto, consta a motivação da sua edição: “...autorização contida no art. 54 da Lei nº 13.707, de 14 de agosto de 2018, e o disposto na Medida Provisória nº 870, de 1º de janeiro de 2019”.

A Lei nº 13.707, de 14/08/2018, que expressa a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2019 da União, em seu artigo 54 (caput e parágrafo único), estabelece que:

Art. 54. Ato do Poder Executivo poderá transpor, remanejar, transferir ou utilizar, total ou parcialmente, as dotações orçamentárias aprovadas na Lei Orçamentária de 2019 e em créditos adicionais, em decorrência da extinção, da transformação, da transferência, da incorporação ou do desmembramento de órgãos e entidades, bem como de alterações de suas competências ou atribuições, mantida a estrutura programática, expressa por categoria de programação, conforme definida no § 1º do art. 4º, inclusive os títulos, descritores, as metas e os objetivos, assim como o detalhamento por esfera orçamentária, GND, fontes de recursos, modalidades de aplicação e identificadores de uso, e de resultado primário. (Vide Medida Provisória nº 870, de 2019)
Parágrafo único. A transposição, a transferência ou o remanejamento não poderá resultar em alteração dos valores das programações aprovadas na Lei Orçamentária de 2019 ou em créditos adicionais, podendo haver, excepcionalmente, adequação da classificação funcional e do Programa de Gestão, Manutenção e Serviço ao Estado ao novo órgão.

Em resumo, o artigo 54 (caput e parágrafo único) da Lei 13.707 de 2018 (LDO 2019) trata da autorização de remanejamentos orçamentários decorrentes de reestruturação administrativa (extinção e criação de ministérios, fusão e desmembramentos de órgãos, etc.) promovidos pela Medida Provisória nº 870, de 1º de janeiro de 2019 (que “estabelece a organização básica dos órgãos da Presidência da República e dos Ministérios”).

Por sua vez, esse dispositivo legal atende o disposto no artigo 167 (e o Inciso VI) da Constituição Federal, a seguir transcritos:

Art. 167. São vedados:
(...)
VI - a transposição, o remanejamento ou a transferência de recursos de uma categoria de programação para outra ou de um órgão para outro, sem prévia autorização legislativa;

Da análise que realizei (por amostragem) dos remanejamentos orçamentários do Decreto Nº 9.699/2019, foram respeitados os dispositivos da Constituição Federal e da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2019 da União (artigo 54, caput e parágrafo único), pois:
a) Não houve alteração nas categorias de programação e nos valores aprovados na Lei Orçamentária 2019 da União; e
b) Houve mudanças de órgãos com autorização legislativa prévia (no caso, a LDO 2019 da União).
Portanto, o que este decreto possibilita é a necessária adequação para a gestão orçamentária e financeira (inclusive para as competências de ordenação de despesa) dentro dessa nova estrutura governamental. A meu ver, o mais importante seria que a sociedade debatesse a natureza dessa reestruturação administrativa promovida pela Medida Provisória do início do ano, que criou “superministérios” e extinguiu outros que responsáveis pelas políticas de inclusão social e de respeito aos direitos de cidadania, que não estão evidenciadas nessa nova estrutura proposta.

II – Sobre as diretrizes para o estabelecimento de prioridades 2020 para a elaboração da Programação Anual de Saúde (PAS) 2020 e do capítulo saúde do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) 2020 aprovadas pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS)

As diretrizes para o estabelecimento de prioridades 2020 aprovadas por unanimidade pelo Conselho Nacional de Saúde representam subsídios importantes para o mesmo processo que deve ser realizado nos Estados, Distrito Federal e Municípios, bem como para os debates a serem realizados nas etapas preparatórias estaduais e municipais da 16ª (8º+8) Conferência Nacional de Saúde (a etapa nacional será realizada de 04 a 07 de agosto de 2019).

O texto a seguir apresentado é uma versão revista e atualizada de artigo que escrevi anteriormente (publicado na Revista Domingueira da Saúde 009/2016, de 10/04/2016):
1 - Os conselheiros nacionais, estaduais e municipais de saúde devem deliberar sobre as diretrizes para o estabelecimento de prioridades para as ações e serviços públicos de saúde que nortearão a elaboração da Programação Anual de Saúde (PAS) de 2020 e do capítulo saúde do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2020 pelos respectivos gestores federal, estaduais, distritais e municipais (conforme art. 30, §4º, da Lei Complementar nº 141/2012).
2 - É importante alertar que nenhuma despesa pública poderá ser realizada se a ação não estiver incorporada na Lei Orçamentária de 2020 (LOA 2020), bem como que nenhuma ação poderá integrar a LOA 2020 se não estiver contemplada nas diretrizes, prioridades e/ou programas existentes na Lei de Diretrizes Orçamentárias 2020 (LDO 2020); por fim, nenhuma diretriz, prioridade e/ou programas poderá integrar a LDO 2020 se não houver previsão no Plano Plurianual – em elaboração para o quadriênio 2020-2023 pela União, Estados e Distrito Federal; e vigente para o quadriênio 2018-2021 nos Municípios.
3 - Esses instrumentos devem estar compatibilizados com o respectivo Plano de Saúde e com a respectiva Programação Anual de Saúde (PAS), integrando o conjunto de instrumentos legais que materializam o processo de planejamento setorial da saúde pública no Brasil no curto e médio prazo.
4 - Caberá aos respectivos Conselhos de Saúde no âmbito de cada esfera de governo participar do processo de elaboração e aprovar cada um desses instrumentos, que subsidiarão o papel constitucional e legalmente estabelecido aos conselheiros de saúde: exercer o papel propositivo no processo de formulação das políticas de saúde e de planejamento das ações, bem como monitorar e avaliar de forma objetiva a execução da política de saúde, inclusive no que se refere aos aspectos orçamentários e financeiros.
5 - É muito importante que os Conselhos de Saúde analisem e deliberem sobre as diretrizes para o estabelecimento de prioridades: se o gestor não as encaminhar, os conselheiros de saúde deverão também elaborar essas diretrizes, além de deliberar e dar conhecimento ao gestor.
6 - O Ministério da Saúde tem recebido do CNS nos últimos anos (desde 2012) as propostas de diretrizes para o estabelecimento de prioridades, fato que se repetiu neste ano: na reunião plenária do CNS realizada no dia 15 de fevereiro de 2019, foi aprovada por unanimidade a Resolução (ainda sem número) contendo essas diretrizes para 2020, objeto de construção coletiva dos conselheiros nacionais de saúde a partir de um texto-base preparado pela Comissão de Orçamento e Financiamento do CNS (COFIN/CNS).
7 – Um alerta importante para os conselheiros estaduais e municipais de saúde: assim como constou no texto aprovado pelo CNS (necessidade de compatibilização posterior com as deliberações da 16ª Conferência Nacional de Saúde), será preciso constar dispositivo específico, nas diretrizes para o estabelecimento de prioridades estaduais a serem aprovadas pelos respectivos Conselhos Estaduais de Saúde, que estabeleça a necessidade de compatibilização posterior com as deliberações das Conferências Estaduais e Municipais de Saúde, inclusive na perspectiva do planejamento ascendente fixado pela Lei Complementar nº 141/2012.
8 – A justificativa para aprovar essas diretrizes neste momento decorre do prazo constitucionalmente estabelecido para o encaminhamento do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2020 ao Congresso Nacional, Assembleias Legislativas Estaduais e Câmaras Municipais – durante o mês de abril de 2019, antes, portanto, da conclusão das etapas estaduais (de 16 de Abril a 15 de Junho de 2019) e municipais (2 de Janeiro a 15 de Abril de 2019) de preparação da 16ª (8ª+8) Conferência Nacional de Saúde.
9 – Outros comentários com o texto completo dessa Resolução com as diretrizes para 2020 aprovadas pelo CNS estarão presentes numa das próximas edições da Revista Domingueira da Saúde.


Francisco R. Funcia, Economista e Mestre em Economia Política pela PUC-SP.





OUTRAS DOMINGUEIRAS